quarta-feira, 17 de maio de 2017

WannaCry


No último dia 12 iniciou-se um ciberataque em massa jamais visto antes, causando a infecção de diversos computadores em várias empresas e instituições pelo mundo, incluindo a Telefónica e o banco Santander na Espanha. Segundo o site britânico Sky News, já passam de mais de 60 hospitais atingidos pela ameaça no Reino Unido.
WannaCry

O causador dos ataques é um ransomware chamado WannaCryptor ou simplesmente WannaCry, que explorou vulnerabilidades em algumas versões do sistema operacional Windows. Os ransomwares tornam inacessíveis os dados armazenados em computadores e derivados, geralmente usando criptografia, exigindo um pagamento pelo resgate (ransom) para restabelecer o acesso ao usuário. O pagamento geralmente é feito via bitcoins, a moeda virtual. Neste caso, foram exigidos 300 dólares em bitcoins, para descriptografar os arquivos sequestrados.

Segundo a Europol, Serviço Europeu de Polícia, até o momento o ataque já havia vitimado mais de 200 mil pessoas em 150 países, sendo que Rússia e Ucrânia foram os mais afetados pelo malware. A Europol informou que as pistas sobre o ataque serão investigadas, mas ainda é preciso ter mais segurança sobre as informações.

Como Devo me Proteger do WannaCry e Outras Pragas Virtuais?


Mesmo não afetando as distribuições GNU/Linux é bom ter alguns meios de segurança, para prevenir ataques por vírus. A seguir algumas dicas importantes da equipe Emmi Linux:

- Se você utiliza SSH - Secure Shell, troque a porta padrão 22, por uma bem alta a partir de 2000. Como exemplo podemos usar a 66287, assim aumentará a dificuldade dos Scans em detectar esta porta tão facilmente.

- Usuários comuns não devem deixar várias portas abertas em seus computadores. Bloqueie todas com o firewall IPTABLES ou o UFW e vá liberando conforme seu uso.

- Use sempre pendrive e/ou HD externo para armazenar seus arquivos mais preciosos, como: documentos, fotos e senhas. Utilize o LUKS (Linux Unified Key Setup) para criptografar suas mídias.

A criptografia é muito importante, aliada a uma senha forte que possua: números, letras maiúsculas, minúsculas e caracteres especiais.

- Utilize senhas diferentes e bem complementadas para usuário comum e Root. As senhas devem ter no mínimo 10 caracteres.

. A equipe Emmi Linux desenvolveu um gerador de senhas, para criação de senhas muito mais seguras. Acesse: https://emmilinux.github.io/gerador-de-senhas.html

. Exemplo ruim de senha: “joao221291”. Neste caso utilizamos o nome e data de nascimento, esta senha é PÉSSIMA e fácil de descobrir.

. Exemplo bom de senha: “Silv@_jo@o99251515”. Neste caso utilizamos o sobrenome com um caractere especial seguido do nome e numero de telefone de alguém conhecido, não sendo a melhor senha, mas já dificultaria um pouco mais para o invasor.

- O GNU/Linux é feito de permissões e isso é muito interessante, pois o torna muito mais seguro em comparação aos outros sistemas. Apesar disso temos que ter uma atenção maior com os Scripts. Sabe aquele Script para atualizar o sistema que você copia de qualquer site? Pois bem, ele é executado como root, e isso é um grande perigo. Sempre avalie e vasculhe os scripts antes de executá-los.

- Por fim se você utiliza o GNU/Linux em dual boot com Windows, e troca arquivos entre os dois sistemas, não se esqueça de ter um antivírus para escaneamento do pendrive ou qualquer outra mídia externa. Para esta finalidade sugerimos o antivírus, open source, CLAMAV/Clamtk.

Caso ainda não tenha instalado a Emmi GNU/Linux, visite a página: https://emmilinux.github.io/ e vá em download.

Curta #EmmiLinux:

Facebook: https://www.facebook.com/emmilinux

Twitter: https://twitter.com/Emmi_Linux


Share:

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Fish, o “Peixe” da Linha de Comando

Shells ou interpretadores de linha de comando são linguagens especializadas e de domínio específico que implementam um modelo exclusivo.  

 As shells de sistemas operacionais são baseadas em textos e fornecem uma interface para o usuário. Também é possível encontrar shells para interface gráfica com o usuário e shells para linguagens de programação, como Python Shell. A ideia de shell também foi aplicada pelo Google no seu browser, através de um front end web chamado “Goosh”. Ela permite procurar no modo texto, utilizando comandos como “search”, “more” e “go”.

As shells podem oferecer diferentes recursos, mas todas elas implementam ideias principais que foram desenvolvidas a décadas passadas.
Ken Thompson (Bell Labs) desenvolveu a primeira shell para Unix em 1971. Era chamada de shell v6. Essa shell era um programa executado fora do Kernel.

 Em 1977, foi criada por Stephen Bourne, para Unix V7,  a Bourne Shell. A Bourne introduziu loops, fluxos de controle e variáveis nos scripts. Desta forma ela proporcionou uma interação melhor com o sistema operacional. Essa shell continua sendo útil até hoje. 

 Além de ser um passo a frente de suas antecessoras, a Bourne shell serviu de base para diversas shells derivadas, das quais muitas são usadas hoje em sistemas operacionais linux.
O Emmi Linux 2.0 - Rayssa, utiliza o Fish (Friendly Interactive Shell), que começou a ser desenvolvido a partir de 2005, pelo programador sueco  Axel Liljencrantz.
É um shell que tenta ser mais interativo e produtivo, com destaque para sua sintaxe que não deriva do Bourne e nem do shell C, o que, segundo os desenvolvedores, o torna exótico. 
O Fish tem  auto sugestões automáticas com base no histórico e no diretório atual. Este recurso é semelhante aos navegadores web, possibilitando o usuário obter feedback contínuo ao escrever a linha de comando e poder selecionar sugestões com as teclas de seta ou pressionar o “tab” para uma conclusão de tabulação.  
Faça o download da ISO do Emmi Linux e aproveite para testar o Fish no seu desktop.

Fonte:

 

 
Share:

sábado, 8 de abril de 2017

Especial, Emmi no Toca do tux

Olha só aonde eu fui parar!!! 😍 em um dos maiores canais do Brasil sobre GNU/Linux.
Quer dar uma conferida na máteria? vou disponibilizar o link para vocês!
Antes de mais nada, queria agradecer ao Gabriel, pela oportunidade!😉😉😉


Aproveita e confere a matéria tbm!
Leia a Matéria


Share:

Linha do tempo - Minha história

Hoje irei contar um pouco da minha história, vamos conferir os rostos que tive através das minhas evoluções.




03 de janeiro de 2015, este foi meu primeiro rosto, mas eu não me chamava Emmi ainda, eu me chamava LMP (light minimal project) e a base que foi utilizada para me criar foi o Slackware
Fui desenvolvida com o propósito de suprir algumas necessidades que meu desenvolvedor tinha de backups.
Eu estava tão leve e pequena que acabei sendo divulgada em um canal do irc, o qual uma usuária gostou da idéia e então resolveram criar um projeto juntos.



No dia 06 de julho de 2016 eu nascia de verdade :D
O projeto Emmi foi para frente e me trocaram a base, eu oficialmente agora estava baseada em OpenSUSE.



Meu segundo logo foi um pouco mais estudado, foi ai que eu me identifiquei como um Beija-flor, mas porque beija-flor? sempre me perguntam, bom o motivo foi porque eu fui projetada para ser rápida, bonita e simples.
E o beija-flor tesoura que é nativo do Brasil, se encaixa perfeitamente.
Ps, vou te contar uma coisa interessante, você sabia que o Beija-flor tesoura em uma atividade normal tem 2000 batimentos cardíacos por minuto? as asas chegam a bater 100 vezes por segundo!
Não é demais?





Passado algum tempo eles trocaram as minhas cores...
Eu já começei a ficar mais bonita e começei a ter a cara que tenho hoje, eu estava ainda baseada em OpenSUSE



Bom nesta altura aconteceu uma coisa triste e feliz, uma das pessoas que me desenvolvia acabou saindo do projeto e o outro desenvolvedor entrou no projeto e junto com o Jefferson me criaram com outra base, a base escolhida foi Debian Estável

É isso, uma parte da minha história para vocês
Espero que tenham gostado 😘♥
Share:

Copyright © Blog Emmi GNU/Linux